terça-feira, 30 de setembro de 2014

Cientistas criam dispositivo que funciona como 'capa da invisibilidade'

Atualizado em 30/09/2014 11h33

Método de americanos utiliza lentes que fazem objetos desaparecerem.

Experimento ajudaria a evitar pontos cegos que atrapalham motoristas.

Do G1, em São Paulo
A imagem mostra o estudante Joseph Choi demonstrando o funcionamento das lentes que deixam qualquer coisa invisível (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)A imagem mostra a mão do estudante Joseph Choi demonstrando o funcionamento das lentes que deixam qualquer coisa invisível (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)
Atenção, Harry Potter, você pode não ser o único a ter uma capa da invisibilidade. Cientistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, descobriram uma maneira de esconder grandes objetos com a ajuda de lentes, uma tecnologia que parece ter surgido das páginas da série de fantasia Harry Potter, da autora britânica J. K. Rowling.

Os pesquisadores americanos utilizaram lentes baratas e prontamente disponíveis para fazer um objeto desaparecer da visão de quem enxerga por elas, enquanto tudo que está ao seu redor continua normal. O método foi chamado de “Capa de Rochester”, apesar de não ser bem uma capa.
O dispositivo se parece com um equipamento utilizado por um optometrista. Quando um objeto é colocado por trás das quatro lentes, ele pode desaparecer.
“Pelo que nós sabemos, esse é primeiro dispositivo de camuflagem tridimensional e multidirecional”, explica Joseph Choi, estudante de graduação que ajudou a desenvolver o método.

Durante o experimento, o grupo usou uma mão, um rosto e uma régua. Cada um desses “itens” se tornou invisível através das lentes. De acordo com o Choi, a técnica pode ser aplicada em várias áreas, incluindo na medicina, nas Forças Armadas e na execução de obras de arte.
Uma das aplicações práticas, por exemplo, seria evitar os pontos cegos que atrapalham os motoristas. O dispositivo custou pouco mais de US$ 1.000 e, segundo seus desenvolvedores, pode custar ainda mais barato.
O método foi chamado de "capa de Rochester", uma alusão à capa da invisibilidade descrita na história de Harry Potter (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)O método foi chamado de "capa de Rochester", uma alusão à capa da invisibilidade descrita na história de Harry Potter (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)
O dispositivo de camuflagem utiliza quatro lentes e foi desenvolvido na Universidade de Rochester, nos Estados Unidos (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)O dispositivo de camuflagem utiliza quatro lentes e foi desenvolvido na Universidade de Rochester, nos Estados Unidos (Foto: J. Adam Fenster/University of Rochester/Reuters)

Dom Edmilson e seus 90 anos de vida

Dom Manuel Edmilson da Cruz, bispo emérito da diocese de Limoeiro do Norte, celebra dia  seis de outubro noventa anos. O evento será marcado por uma Missa em Ação de Graças a realizar-se às 19 horas, na Igreja da Prainha. Após a missa, a recepção será na Cúria Arquidiocesana de Fortaleza.
Dom Edmilson da Cruz celebra 88 anos de vida
Informações: (85) 3231-2704; (85) 3231-9339; (85) 3047-1654.
 Mais sobre dom Edmilson:

 - Atividades Antes do Episcopado:
Em Sobral (de 1949-1964): Professor no Seminário Menor; no Colégio Diocesano Sobralense, no Colégio Santana; Prefeito de Disciplina, Vice-Reitor,

- Atividades como Bispo:

Bispo Auxiliar de São Luís do Maranhão-MA (1966-1974); Vigário Episcopal da Forania de Brejo-MA (1966-1974); Bispo Auxiliar de Fortaleza-CE (1974-1994); Administrador Apostólico “Sede Plena” (1992-1994) e Bispo de Limoeiro do Norte-CE (1994-1998); Diretor Espiritual do Seminário de Filosofia; Orientador Educacional de um Colégio de Religiosas; Conselheiro Espiritual do ECC Regional-Ceará; Diretor Espiritual da Equipe de N. Sra; Atendimento Pastoral a 2 paróquias da Arquidiocese de Fortaleza-CE.
Lema Episcopal: 
– “verbum caro factum” – palavra feito carne
 ESCRITOS:
Oração diante do corpo de Dom Aloísio Lorscheider
Comunidades Eclesiais de Base, Seu Espírito e Vida de Oração (1980); Em Co-autoria: Cantador, Poesia e Viola (1980); Política e Emprego no Brasil – Viabilidades e Alternativas (1989); Cordel: ABC do Circulismo; Meu Brasil Terra de Deus; A Briga do Cupim contra o Cristal; Louvação a Dom Aureliano (1º centenário de nascimento – 1989); II Seminário sobre o Homem e a Seca do Nordeste (1992); Inéditos: Ritmo Pascal (poesia); Tabernáculo de Deus com os Homens – Congressos Eucarísticos Internacionais e Nacionais; O Evangelho do Sertão.

Dom Luciano Mendes: processo de beatificação


Realidade econômica da Santa Sé

Microsoft anuncia novo Windows 10

Atualizado em 30/09/2014 15h20

Novo sistema operacional irá rodar em PCs, smartphones e tablets.

Windows 10 marca a volta do menu 'Iniciar', retirado no Windows 8.

Do G1, em São Paulo
Windows 10, o novo sistema da Microsoft. (Foto: Divulgação/Microsoft)Windows 10, o novo sistema da Microsoft. (Foto: Divulgação/Microsoft)
A Microsoft anunciou nesta terça-feira (30) o Windows 10, nova versão do sistema operacional da empresa que irá rodar em PCs, smartphones e tablets. O Windows 10 também marca o retorno do menu "Iniciar" à sua função original, removida do sistema da Microsoft no Windows 8.
Com o Windows 10, a Microsoft “pulou” um número na sequência das versões de seus sistemas. Esse, por exemplo, era chamado informalmente de “Windows 9”. “Quando você vir o produto em sua integralidade, eu acredito que você irá concordar conosco que esse é o nome mais apropriado”, afirmou Terry Myerson, chefe da divisão de Windows na Microsoft, durante o evento de apresentação.
De acordo com Myerson, o "novo Windows foi construído desde o princípio para um mundo que pensa primeiro em dispositivos móveis e na nuvem". A interface e a loja de aplicativos do sistema é a mesma em todos os aparelhos. Essa é a aposta da companhia para aparelhos com dimensão de 4 a 80 polegadas. Por isso, o Windows 10 também é o sucessor do Windows Phone 8.1, e é o novo sistema operacional dos smartphones da Microsoft.
Windows 10, o novo sistema da Microsoft. (Foto: Divulgação/Microsoft)Windows 10, o novo sistema da Microsoft. (Foto:
Divulgação/Microsoft)
Iniciar
A volta do menu "Iniciar" como ponto de partida para abrir programas no Windows e personalizar as configurações da máquina é um pedido antigo dos usuários. No Windows 8, o botão foi removido porque a Microsoft tentava unificar o design do sistema em computadores, tablets e smartphones. A decisão fazia parte da estratégia da Microsoft no que se convencionou chamar de era "pós-PC",  um cenário onde os computadores perderam espaço para o avanço dos dispositivos móveis. A mudança, porém, não caiu no gosto dos usuários, aparentemente ainda fãs de mouse e teclado.
No Windows 8.1, o botão "Iniciar" ele foi novamente incluído, mas de maneira diferente. Ao clicar nele, o usuário não era remetido ao menu clássico, mas à interface chamada de Metro, que organiza os programas instalados no PC em blocos dispostos lado a lado.
A barra lateral Charms foi preservada no novo Windows. Já o menu com cara de smartphone, foi reduzido ao tamanho clássico para a versão voltada a PCs e mantido, com alterações, para tablets e aparelhos com tela sensível ao toque.
Pós-PC não pegou
A família Windows, com todas as suas versões, está instalada em 88,47% dos computadores do mundo, segundo dados da consultoria Net Aplications referentes a agosto deste ano. Mas as versões "pós-PC", os Windows 8 e 8.1, somadas, estão presentes em 13,37% dos desktops. Já o último sistema antes da mudança, o Windows 7, é o mais utilizado: roda em 51,21% dos PCs. Até o Windows XP, que já deixou de receber suporte da Microsoft, é mais popular que os Windows 8 e 8.1, com 23,89% de participação. Segundo Myerson, cerca de 1,5 bilhão de pessoas usam o Windows atualmente.
A Microsoft não anunciou uma data de lançamento, mas informou que o Windows 10 vai chegar aos computadores em 2015. A companhia não informou se haverá incentivo para que usuários dos Windows XP e 7 migrem para a nova plataforma.

Após gravar vídeo, ator de Hollywood retira apoio a Marina Silva

 Atualizado em 30/09/2014 15h33

Mark Ruffalo criticou posicionamento de candidata sobre casamento gay.

Ela alterou programa de governo no item sobre união entre homossexuais.

Filipe MatosoDo G1, em Brasília*
O ator ativista Mark Ruffalo participa da Marcha Popular pelo Clima em Nova York (Foto: Craig Ruttle/AP)O ator e ativista Mark Ruffalo participou da Marcha
Popular pelo Clima em Nova York na semana passada
(Foto: Craig Ruttle/AP)
Defensor do casamento gay, o ator de Hollywood Mark Ruffalo, que interpretou o super-herói Hulk no cinema, publicou em seu blog texto no qual afirma retirar apoio à candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva. O motivo foi o fato de a presidenciável ter tirado do programa de governo o apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.
No blog, Ruffalo afirma não ser especialista em política brasileira, mas destaca que os direitos das mulheres, dos homossexuais e os direitos ambientais fazem parte de um pacote de visão de mundo que ele tem.
“Eu não posso, em sã consciência, apoiar um candidato que tem uma abordagem dura em questões como o casamento gay e os direitos reprodutivos, mesmo que o candidato esteja disposto a fazer a coisa certa sobre as questões ambientais”, publicou o ator em seu blog.
No último domingo, a campanha de Marina Silva chegou a publicar no Youtube vídeo no qual Ruffalo diz apoiar a candidata. Na gravação, com pouco mais de 2 minutos de duração, o ator se dirige aos “irmãos brasileiros” e afirma que a ex-senadora é provavelmente uma das pessoas mais interessantes da política mundial.
A parte do programa de governo de governo que falava sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo foi retirada um dia depois de a própria candidata divulgar o documento, no final de agosto. Além disso, foi eliminada defesa de um projeto em tramitação no Congresso que criminaliza a homofobia.
Os dois pontos estavam num capítulo sobre os direitos da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais) e foram substituídos pela seguinte redação: "Garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo".
No blog, Ruffalo diz ainda que a decisão de Marina de tirar o apoio ao casamento gay o colocou “em conflito direto” com a presidenciável. O ator  afirma no texto que tem lutado pela igualdade no casamento e vê o assunto como reflexo da qualidade de um candidato.
Ele também pede desculpas à campanha de Marina por ter criado um “inconveniente”. Ruffalo argumenta no texto que retira o apoio a Marina com base em informações que estão na internet e que ficou desapontado com a decisão da candidata do PSB à Presidência.
“Fiquei desapontado ao ver seu apoio ao casamento gay ser abandonado por seu partido um dia depois que ela o deu em um discurso”, concluiu o ator.
Exibição do vídeo
Durante ato político nesta tarde, em São Paulo, a campanha de Marina exibiu duas vezes o vídeo gravado por Ruffalo no qual ele manifesta apoio à candidata do PSB. Na terceira vez, as imagens do ator foram cortadas.

Coordenador da campanha de Marina Silva, Walter Feldmann afirmou durante o ato na capital paulista que, em sua avaliação, o apoio de Ruffalo à candidatura do PSB permanece. "Não há, para nós, nenhuma retirada oficial do apoio dele à candidatura da Marina", disse.

A assessoria de imprensa de Marina informou que integrantes da campanha conversaram com Mark Rufallo nesta terça e explicaram ao ator como funciona o processo eleitoral brasileiro.

Twitter
No microblog Twitter, o escritor brasileiro Pablo Villaça enviou mensagens a Mark Ruffalo afirmando ter ficado "desapontado" ao vê-lo divulgar apoio a Marina Silva. Villaça diz que a candidata do PSB é de direita, “antigay” e sugere ao ator que pesquise o período em que a ex-senadora atuou como ministra do Meio Ambiente. O ator não respondeu ao escritor.

Assista abaixo ao momento em que o vídeo de Ruffalo era exibido no ato político de Marina e foi cortado:
* Colaborou Glauco Araújo, do G1, em São Paulo

Francisco: o futuro do mundo

Estamos entregando ao povo de Deus, neste Natal de 2015 e início de 2016, o livro Francisco: o Futuro do Mundo. Nosso objetivo é ...