"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sábado, 16 de abril de 2016

Papa Francisco: leva 12 refugiados de Lesbos, três famílias sírias no avião, com ele para o Vaticano


PÚBLICO 16/04/2016 - 09:02 (actualizado às 13:45)
No campo de Moria, na ilha grega de Lesbos, o Papa Francisco quis dizer aos refugiados que não estão sozinhos. "Vim aqui para estar convosco e ouvir as vossas histórias, para exigir ao mundo que preste atenção a esta grave crise humanitária e implorar que seja resolvida", explicou.

Visita de Papa Francisco ao campo de Moria, em Lesbos
 Com Lampedusa na memória, Lesbos espera ansiosa as palavras do Papa
 Berlim exige aos refugiados que aprendam alemão e mostrem que querem integrar-se
O Papa Francisco anunciou que vai que vai levar 12 refugiados que estão na ilha de Lesbos para o Vaticano, já no avião de regresso a Itália, seis dos quais menores. São três famílias que estavam no campo de refugiados aberto de Kara Tepe, escolhidas à sorte. Uma delas é dá região de Damasco, e outra de Deir Azzor, de territórios que foram ocupados pela organização terrorista Estado Islâmico, anunciou o Vaticano.

"O Papa quis ter um gesto de boas-vindas para com os refugiados, levando no avião para Roma três famílias da Síria", diz uma declaração oficial do Vaticano .Estas famílias chegaram às ilhas gregas desde a entrada em vigor, a 20 de Março, de um acordo entre a União Europeia e a Turquia para estancar o fluxo de migrantes do Médio Oriente e da Ásia rumo à Europa, e que agora estavam bloqueados. Ou pedem asilo na sobrelotada Grécia, ou as portas do resto dos países europeus ficaram fechadas para eles.

Esta é uma nova demonstração de que o líder da Igreja Católica não concorda com a actuação da União Europeia relativamente aos refugiados. Na visita, esta manhã, a Moria, um hotspot criado por indicação da União Europeia para que ali fossem registados todos os que chegam à ilha grega de Lesbos mas que desde Março se transformou num campo de detenção, o Papa deixou palavras de esperança: "Meus queridos amigos, quero dizer-vos que não estão sozinhos.”


"Somos todos migrantes", afirmou, apelando a "uma resposta digna" do mundo à crise dos refugiados que disparou em 2015, no caso da Europa muito por causa da guerra na Síria e da falta de uma solução pacífica para o conflito que dura desde 2011.

Mas num discurso à população, frisou o que pode ser considerado uma crítica: “É preciso nunca esquecer que os migrantes, antes de serem números, são pessoas, rostos, nomes, histórias”. A legalidade do acordo assinado pela UE e pela Turquia é ainda considerada duvidosa pelas organizações humanitárias e até mesmo pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Em Moria, o Papa Francisco cumprimentou centenas de refugiados que o esperavam, sempre acompanhado por Bartolomeu I, patriarca de Constantinopla e líder espiritual das igrejas ortodoxas, e por Jerónimo II, que preside à Igreja de Atenas e de toda a Grécia. Numa tenda, muitos outros refugiados esperavam sentados pelo chefe da Igreja Católica, incluindo dezenas de crianças.

Um desenho para Francisco

Um menino afegão foi o primeiro a querer oferecer um desenho que tinha feito. Nele podia ver-se um pequeno barco com a bandeira do Afeganistão. "Quero guardá-lo", disse o Papa aos assessores. "Que não se perca, é para a minha secretária. Isto é um símbolo".

"Síria". "Afeganistão". "Irão". Todos querem dizer ao Papa Francisco de onde vieram, ainda que não saibam qual será o seu destino. Por enquanto estão retidos em Moria. "Vim aqui simplesmente para estar convosco e ouvir as vossas histórias, para exigir ao mundo que preste atenção a esta grave crise humanitária e implorar que seja resolvida", afirmou o líder da Igreja Católica. “Infelizmente, alguns – entre os quais, muitas crianças – nem sequer chegaram cá. Perderam a vida no mar, vítimas de viagens desumanas e da violência dos seus carrascos”, lamentou, no porto de Mitilene.

Momentos antes, o patriarca de Constantinopla afirmava também a necessidade de estarem próximos daqueles que ali se encontram: "Viemos aqui olhar nos vossos olhos, ouvir as vossas vozes, pegar nas vossas mãos". E acrescentou: "O Mundo vai ser julgado pela maneira como vos tratou e todos seremos responsabilizados pelos conflitos nos vossos países origem".

À chegada a Lesbos, o Papa Francisco foi recebido no aeroporto de Mitiliene, a principal cidade de Lesbos, pelo primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e pelos líderes religiosos ortodoxos. O Papa aterrou por volta das 10h locais (8h00 em Portugal continental), para uma visita que já tinha defendido ser “estritamente humanitária e ecuménica, não política”, e em “solidariedade” com os refugiados e com a população grega.

“É uma viagem um pouco diferente das outras. Uma viagem marcada pela tristeza (…)", disse o chefe da Igreja Católica aos jornalistas, durante a viagem de avião que o levou até à Grécia. "Vamos encontrar a pior catástrofe humanitária depois da II Guerra Mundial. Vamos ver tanta gente que sofre, que foge e que não sabe para onde ir. E vamos também a um cemitério, o mar. Tanta gente que nunca chegou”. 

Numa visita que está prevista durar cinco horas, o Papa visita o centro de detenção de Moria, que, com a entrada em vigor do acordo com a Turquia se transformou num centro de detenção – onde vivem actualmente quase 3000 pessoas: as 2300 vagas iniciais foram já ultrapassadas. Agora, entre os contentores montados pelo ACNUR, multiplicam-se as tendas de campismo.

Dentro da vedação, os três líderes religiosos vão reunir-se com 150 menores, muitos deles totalmente por sua conta, sem a companhia de um adulto, antes de um encontro com outros 250 migrantes de “diferentes condições” que Francisco, Bartolomeu e Jerónimo querem cumprimentar um a um. Almoçam depois com oito refugiados, num contentor igual aos que servem de dormitório, terminando a visita no porto de Mitilene, para um encontro com a população e uma oração ecuménica pelos que morreram no mar. Será ainda assinada uma declaração conjunta, com um apelo aos líderes internacionais.

Para a população da ilha grega de Lesbos, que foi já indicada para o Prémio Nobel da Paz pelo seu envolvimento na gestão dessa crise, a visita do Papa Francisco é um reconhecimento histórico, independentemente de grande parte dos gregos serem ortodoxos.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com