segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Vaticano: Fraternidade na Europa exige abertura a Deus, diz o Papa


Agência Ecclesia 31 de Agosto de 2015, 
Francisco assinalou 1400° aniversário da morte de São Columbano, monge e missionário

Cidade do Vaticano, 31 ago 2015 (Ecclesia) - O Papa defendeu uma maior abertura a Deus da Europa para a construção de uma verdadeira “fraternidade” no continente.

“Haverá fraternidade entre os povos europeus apenas quando a civilização se abrir a Deus”, assinala, numa mensagem enviada através do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, enviada ao bispo de Piacenza (Itália), D. Gianni Ambrosio, recordando o monge e missionário São Columbano, no 1400° aniversário da sua morte.

O santo (Irlanda, 540-Itália, 615) ficou conhecido pela fundação de inúmeros mosteiros pela Europa.

“Columbano sempre cultivou uma ideia ‘europeia’ do seu compromisso eclesial; referiu-se ao dever de todos os cristãos em colaborar para que os diferentes povos do continente pudessem viver na paz e na unidade”, recorda Francisco.

O Papa sublinha que a vida de “oração, de ascese e de estudos” nunca “afastou ou distraiu” este sando das “vicissitudes religiosas e políticas daquela época, nas quais interveio diversas vezes com palavras fortes, evocando a severidade de São João Batista”.

A mensagem cita o Papa emérito Bento XVI, para quem São Columbano pode ser considerado “um dos Pais da Europa”.

“A sua grande cultura, energia espiritual e estilo moral apontam claramente uma fonte para que, nos nossos tempos, esta civilização possa reviver no continente europeu”, assinala ainda.

RV/OC

Obras em Roma para o Jubileu começam em setembro

 Rádio Vaticana

Roma (RV) – As obras em Roma, em vista do Jubileu da Misericórdia com início em dezembro, estão previstas para iniciarem neste mês de setembro. Segundo informações da prefeitura, os primeiros trabalhos devem partir dos melhoramentos da região da Estação Termini, a estação ferroviária mais importante da cidade e uma das maiores da Europa. Ela foi reestruturada em ocasião do Jubileu de 2000 e se tornou um importante ponto de referência para os turistas e os cidadãos romanos.
  Todas as outras obras, porém, deverão iniciar no final de setembro e graças aos 50 milhões do pacto de estabilidade. O governo conferiu a supervisão dos trabalhos ao presidente da Autoridade Anticorrupção, Raffaele Cantone, que se diz otimista e sublinha: “não será um trabalho tão difícil em relação à EXPO 2015 de Milão” (a feira internacional). Para supervisionar a empreitada, Cantone anuncia o uso dos policiais que são dependentes diretos do Ministério da Economia e das Finanças na Itália, a ‘Guardia di Finanza’. (AC)
(from Vatican Radio)

Enfrentamento da corrupção trará ganhos

Para juiz a corrupção prejudica a intenção do empresariado em investir.
O juiz federal Sérgio Moro afirmou, na manhã desta segunda-feira 31, que o enfrentamento da corrupção pode ter um custo no curto prazo, mas que vale a pena. "No longo prazo, esse enfrentamento da corrupção sistêmica vai trazer ganhos a todos, porque o custo da corrupção sistêmica é algo extraordinário", disse o juiz, que conduz as ações da operação Lava Jato. Ele participa na manhã desta segunda-feira, 31, de evento promovido pela revista Exame.
O juiz argumentou que a corrupção prejudica a intenção do empresariado em investir no País, prejudica a concorrência livre entre empresas e também impacta a confiança da população nos mecanismos de transparência e Justiça.
Ele destacou a "perda da autoestima" e da "dignidade" dos cidadãos brasileiros como o maior efeito negativo da corrupção. "É preciso que não só as instituições públicas, mas as instituições privadas e todos os cidadãos digam não a essas práticas, ao pagamento de propina. Os ganhos futuros serão muito maiores que os custos imediatos", afirmou
Nas investigações específicas da Petrobras, Moro diz que os prejuízos à estatal vão além dos desvios e chegam a investimentos que não fazem sentido para a companhia. Ele citou como exemplo a refinaria Abreu e Lima, que segundo mostraram investigados na operação, nem em toda sua vida útil traria lucro ou sequer se pagaria.
Moro reiterou que, nas ações da Lava Jato, há indícios claros de corrupção sistêmica e destacou que o mais impressionante para ele é a "naturalização" do pagamento de propina evidenciado nas investigações.
Segundo o juiz, uma pergunta feita a um dos delatores sobre o porquê do pagamento de propina e da determinação dos porcentuais teve como resposta que essa era a "regra do jogo" e que tudo já estava "determinado". "Há uma dificuldade de se esclarecer por que se pagava propina", explicou.
No início da sua palestra, Moro destacou que a seu ver sempre haverá corrupção. "A corrupção como crime, como ato de desvio do ser humano, é um tipo de crime que sempre vai acontecer, remonta a tempos imemoriais, não importa o que façamos como instituições. A não ser que, num futuro muito distante nos transformemos todos em anjos", ironizou, reforçando a importância de se fortalecer os mecanismos de investigação e Justiça. O juiz repetiu que não é a Lava Jato, como não foi a investigação do mensalão, que vai mudar o País, mas o fortalecimento das instituições.
Moro encerrou sua apresentação sugerindo que se aproveite esse momento em que a população está indo para as ruas. "Temos de aproveitar esse momento em que as pessoas deixam a condição de consumidoras para assumirem de cidadãs, algo muito raro na nossa democracia de massas", disse pedindo que as pessoas não se acomodem. "É sempre mais escuro antes do amanhecer."
Além de Moro, falarão no evento promovido pela Exame, o ministro do Tribunal de Contas da União Augusto Nardes e o vice-presidente Michel Temer.
Agência Estado

A sinistra poesia do balé da morte

Nesses mares revoltos nossa hipocrisia atingiu as águas mais profundas.
Por Ricardo Soares*
Em um planeta todos os dias bombardeado por milhões de imagens que vem de todos os lados fica difícil comentar as mais impactantes, ou mesmo refletir sobre elas, dada a velocidade com que nascem e morrem nos dias seguintes. Apesar disso, quero aqui puxar pela memória do leitor e comentar a imagem que mais me impressionou, sobre a mais recente onda de mortes de imigrantes nas águas do Mediterrâneo.
Não estou falando das imagens das muitas crianças mortas que chegaram afogadas à praia. com suas expressões entre a serenidade e a estupefação. Não estou falando dos restos de barcos toscos, de comida, de objetos que flutuam revelando serem inúteis partes desimportantes de vidas dadas como desimportantes. A imagem que mais me entristeceu e chocou na semana passada foi uma tomada de cima. onde uma dúzia de afogados formavam um círculo perfeito, boiando sobre as águas escuras do mar que os matou. Ao centro desse circulo dois ou três objetos como pontinhos de uma foto-pintura absolutamente surreal, que não seria imaginada nem na gótica mente de um Bosch contemporâneo. A sinistra poesia de um balé da morte.
O horror dessa foto paradoxalmente revela uma beleza macabra de composição, que atenua a nossa percepção do quanto aquilo é desumano, absurdo, impensável num mundo civilizado. E mais surreal ainda que esse amontoado de cadáveres em círculo de imigrantes afogados lembre tristemente as estrelas que se vêem na bandeira da União Européia.
Escrever sobre uma imagem amplamente difundida talvez seja inócuo ou dispensável. Muita gente viu. Mas não consigo pensar e nem escrever hoje sobre outra coisa diante da indiferença mundial diante dessa imagem de raro impacto poético. Imagem que representa uma indiferença abissal que temos diante desses milhares à deriva pelos mares do mundo, levados como peixe podre até as praias dos países tubarões, que, na verdade, fabricaram a secular tragédia do colonialismo, origem, ovo da serpente de toda essa tragédia que se dá na costa européia. São humanos como todos nós esses que perecem. Mas ao vê-los assim de cima, mortos à deriva, não se parecem com nada que seja humano. O desumano ao qual são submetidos os transforma em máscaras de horror, para as quais o cinismo do mundo “civilizado” não quer nem olhar. Nesses mares revoltos nossa hipocrisia atingiu as águas mais profundas.
*Ricardo Soares é escritor, diretor de tv, roteirista e jornalista. Autor de 7 livros foi cronista dos jornais “O Estado de S.Paulo”, “Jornal da Tarde”, “Diário do Grande Abc” e da revista “Rolling Stone”.

Mujica apaixona o Brasil

Suas palavras são pronunciadas, sílaba por sílaba, com a potência similar de um cisco no olho.
Por Felipe Betim
Aos 80 anos, a simplicidade do ex-mandatário uruguaio fascina uma juventude com novos valores e que exige mudanças.
José “Pepe” Mujica anda encurvado, devagar. Dirige um Fusca, veste um terno meio surrado, não corta a unha do pé, possui uma pança imensa e evita a todo o momento o contato visual. Sua fala é mansa, doce. Diz coisas óbvias, sensatas, que qualquer outro velho camponês poderia dizer. A última nesse sábado, ao lado do ex-presidente Lula: “Os políticos devem aprender a viver como a maioria do país, não como a minoria”.
Suas palavras são pronunciadas, sílaba por sílaba, com a potência similar de um cisco no olho. Foram elas, acompanhadas de uma conduta pessoal que condiz com o que prega, que fizeram que esse ex-guerrilheiro, tão normal e tão humano, alcançasse a presidência do Uruguai em 2009 e o status de guru e filósofo internacional de toda uma geração. Sua simplicidade fascina, sua sabedoria assombra. Especialmente uma juventude com novos valores, menos materiais, e que exige mudanças. E tudo isso aos 80 anos de idade.
Mujica esteve no Brasil nesta semana e brilhou como um astro pop. Em tempos de tanta desilusão política, quase 10.000 jovens lotaram a concha acústica da UERJ —uma fã relatou ter chegado duas horas antes do ato para conseguir lugar, como em um concerto— apenas para ver um senhor normal, pacato, e escutar um show de sensatezes. Quase um sermão de avô. E a explicação para isso —a parte, claro, de que ele regularizou a maconha— é tão simples quanto suas palavras: existem determinados elementos do nosso cotidiano político que deixaram de ser naturais e se tornaram insultantes.
Só para ficar no âmbito da política brasileira: já não é natural que os cofres públicos de um país em desenvolvimento paguem 324.000 reais em 52 quartos de luxo e 17 carros para uma comitiva, como fez a presidenta Dilma Rousseff em Roma em 2013 para a missa inaugural do Papa Francisco. Ou que, em tempos de ajuste fiscal, haja uma fatura de 100.000 dólares em limusines nos Estados Unidos neste ano. É uma aberração que deputados, senadores e vereadores ganhem, somados todos os benefícios, quase 100.000 reais por mês, trabalhem três dias por semana e ainda perambulem com carros pretos de suas repartições pela cidade —e ainda querem proibir o Uber. Insulta ver Lamborghinis e obras de arte escondidas nas mãos de quem foi eleito para zelar pelo bem público.
A austeridade de Mujica representa o contrário disso tudo. Ele dá um show de normalidade ao mesmo tempo em que toda essa normalidade acaba virando um show. “Um presidente não deve se confundir com um monarca”, disse neste sábado. Tão óbvio, né? Mas no Brasil talvez isso aconteça porque todo mundo vive num palácio: do Planalto, dos Bandeirantes, da Liberdade, da Guanabara...
Quando presidente, Mujica doava parte de seu salário, continuava a viver em sua chácara na periferia de Montevidéu, ia de Fusca para o trabalho, não usava gravata —às vezes nem sapato!— e ainda abria as portas do palácio presidencial no inverno para os moradores de rua. De quebra, apoiou a regularização da maconha, a liberalização do aborto e do casamento entre pessoas do mesmo sexo —já não é normal no Uruguai que as mulheres estejam proibidas a fazer o que querem e que as pessoas não possam se amar livremente, mas isso é papo para outro dia.
E não nos façamos de bobos: Mujica se identifica como um socialista, não renega suas origens de esquerda. Mas suas palavras são carregadas de uma sensatez tão sincera —perdão pela insistência— que até mesmo um conservador desprevenido acaba caindo na sua rede. Por exemplo: "Os estudantes tem que se dar conta que não é só uma mudança do sistema, é uma mudança de cultura, é uma cultura civilizatória. E não tem como sonhar com um mundo melhor se não gastar a vida lutando por ele. Temos que superar o individualismo e criar consciência coletiva para transformar a sociedade", disse na UERJ.
A notícia boa é que as pessoas estão, finalmente, cada vez mais seguras desse seu estado de 'saco cheio'. Vários analistas e estudos coincidem que os protestos, estejam eles travestidos de esquerda (junho de 2013) ou de direita (2015), são claros ao repudiar o tipo de conduta dos políticos. Basta ver a quantidade de compartilhamentos nas redes sociais do Brasil de fotos do primeiro-ministro inglês David Cameron indo trabalhar de metrô. Dez entre dez analistas políticos vêm repetindo desde 2013: a cabeça do brasileiro mudou, mas os políticos ainda não entenderam isso. "O Brasil que foi às ruas é um país que quer que o político ande de ônibus, que seja igual ao que ele é", já explicava o cientista político Alberto Carlos Almeida, diretor do Instituto Análise, naquela época.
Mujica representa essa mudança de mentalidade não apenas no Brasil, mas no mundo todo. E já não está sozinho. A Espanha, que viveu massivos protestos em 2011 e só agora começa a sair da crise econômica, já colheu alguns frutos nas eleições municipais deste ano, ao eleger prefeitos e prefeitas de plataformas cidadãs nas principais capitais do país. Todos e todas com o mesmo perfil de Mujica. O caso de Madri é o mais emblemático. Em seu primeiro dia de trabalho, a prefeita e ex-juíza Manuela Carmena, de 71 anos, foi capa dos jornais por ir ao trabalho de metrô. Cortou salários, cargos, carros oficiais e outros privilégios. "Jamais poderia imaginar que os jovens depositariam suas esperanças em uma avó já aposentada como eu", chegou a dizer.
Existe um certo mal-estar generalizado e a juventude, do Brasil e de todo o mundo, pede o fim de “tudo isso que está aí”. Uma geração com novos valores e hábitos mais austeros que seus pais, que prefere viajar e compartilhar um carro ao invés de pagar caro por um. E o curioso é que, como nos casos de Mujica e Carmena, às vezes buscam a regeneração política nos cabeças brancas porque não se encontra quem entendeu o recado nem entre as novas lideranças. Afinal, não se trata de pegar em armas e mudar todo o sistema. A revolução que exigem é silenciosa: se chama decência.
El País, 30-08-2015.

Francisco: modificar e purificar o interior


Padre Geovane Saraiva*

Nossa missão, decorrente do batismo, é para que sejamos pessoas marcadas pela graça de Deus, no anúncio e no testemunho, com a tarefa de transformar a realidade, marcada pelo pecado e por todo tipo contradição, no dever de fermentá-la e transformá-la em uma nova civilização, apresentando ao mundo sinais de esperança e solidariedade, não através de belas palavras ou de pregações bonitas e miraculosas, mas, acima de tudo, pela prática e pelo testemunho. Deus leva em conta a mística, bem como o testemunho e o modo coerente de viver. Leva em conta mãos abertas e um coração grande, generoso e bom.

Sem um coração purificado, não podemos ter mãos limpas e lábios que pronunciem palavras sinceras de amor, disse o Santo Padre na sua alocução dominical, precedendo o Angelus, na Praça de São Pedro. Ao comentar o Evangelho de São Marcos, do 22º domingo do Tempo Comum (30/08/2015), o Sumo Pontífice fez a seguinte reflexão: “Para Jesus essas tradições são preceitos de homens, que não devem nunca tomar o lugar dos mandamentos de Deus. Vemos o duelo do Salvador da humanidade com fariseus e escribas acerca da tradição dos antigos, duelo que nasce porque escribas e fariseus aplicavam a lei de forma escrupulosa e eram apresentados como expressão de autêntica religiosidade. Por isso, eles repreendem a Jesus e aos seus discípulos pelo não cumprimento de tais preceitos, sobretudo os relativos à purificação exterior de utensílios domésticos. Mas Jesus faz-lhes notar que estão longe de observar o mandamento de Deus em favor das tradições do homem”.

Que em setembro, mês do Livro Sagrado, inspirado e inspirador, sejamos sempre mais convencidos do valor indizível da gramática ou enciclopédia do povo de Deus, que, de modo correto, orienta homens e mulheres nas diversidades de dons, talentos, carismas e funções. Ela foi escrita, em um passado distante, por pessoas que viveram determinados contextos, diferentes do nosso; mas isso não importa. Ela é sempre atual e sua palavra é eterna. Por isso mesmo, Deus quer, através dela, enriquecer suas criaturas. É uma graça divina incomensurável contar com esse didático e pedagógico livro, ontem, hoje e por toda a eternidade, como na palavra de Josué: “Que o livro desta Lei esteja sempre nos teus lábios: medita nele dia e noite, para que tenhas o cuidado de agir de acordo com tudo o que está escrito nele. Assim serás bem-sucedido nas tuas realizações e alcançarás êxito” (Js 1, 8).

Como o Santo Padre, o Papa Francisco, sabe didaticamente colocar na mente e no coração dos cristãos as palavras do Mestre e Senhor, dizendo-nos: “Enchem-nos de admiração, pelo sentido de que nele se encontra a esperança e a sapiência que nos liberta de preconceitos. E recorda que estas palavras são também dirigidas a nós hoje, para não pensarmos que a observação exterior da lei é suficiente para sermos bons cristãos. Disse mais o Romano Pontífice que existe também para nós hoje o perigo de nos considerarmos melhor que os outros pelo simples fato de observar as regras, os usos e costumes, mesmo se não amamos o próximo, se somos duros de coração e orgulhosos. A observância literal dos preceitos é estéril se não houver mudanças dos corações, se não houver abertura a Deus e à sua Palavra e se isso não se traduzir em atitudes concretas, como a justiça e a paz, o socorro dos pobres, dos fracos, dos oprimidos. E aqui o Papa recordou quão mal fazem à Igreja aquelas pessoas que, com frequência, vão à Igreja, mas na vida quotidiana transcuram a família, falam mal dos outros e assim por diante”.

Jesus subiu ao Pai, mas com a promessa do Espírito Santo de Deus com as seguintes palavras que ele nos deixou: “Recebereis o poder do Espírito Santo, que virá sobre vós para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria, até os confins da terra” (cf. At 1, 8). Percebemos a presença e a assistência do Espírito Santo de Deus no Augusto Pontífice, na condição de Sucessor de Pedro, ao sonhar com um mundo fraterno e solidário, exercendo a função de interlocutor, mestre e catequista maior, assistido pelo Espírito Santo de Deus, fundamentado na Escritura Sagrada, quando exorta, escreve, faz viagem apostólica, recebe autoridades, igualmente no constante esforço da busca de paz, justiça, diálogo e concórdia entre os povos.

Na Bíblia Sagrada, encontramos a grande ordem expressa por Jesus, tendo sua origem em Deus, que é Pai, Filho e Espírito Santo, a partir do mistério da encarnação e da redenção, que podemos chamar de mistério pascal, isto é, realização plena da humanidade, no comunicado à Igreja, de que ela é missionária, é enviada com a seguinte finalidade: “Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15);  “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28, 19-20); e ainda: “Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até os confins da terra (At 1, 8). Assim seja!

*Escritor, blogueiro, colunista, vice-presidente da Previdência Sacerdotal e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE – geovanesaraiva@gmail.com

Taizé: Colóquio teológico internacional recorda irmão Roger


Agência Ecclesia 31 de Agosto de 2015, às 10:14        taize.fr
taize.fr
Fundador da comunidade ecuménica nasceu há 100 anos

Taizé, França, 31 ago 2015 (Ecclesia) - A comunidade ecuménica de Taizé (França) está a promover até domingo um colóquio sobre o contributo do irmão Roger (1915-2005), seu fundador, para o pensamento teológico cristão.

“Este encontro dirige-se a jovens teólogos até aos 40 anos – padres jovens, seminaristas, professores de moral, estudantes de teologia”, refere a comunidade, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

A Comunidade de Taizé reúne uma centena de irmãos, católicos e de diversas origens evangélicas, vindos quase 30 países diferentes.

Em 2015, os monges assinalam os 100 anos do nascimento do irmão Roger (1915), os 10 anos da sua morte (16 de agosto de 2005) e os 75 anos da fundação da comunidade ecuménica.

O congresso internacional que começou este domingo, com a receção aos participantes, quer sublinhar o “pensamento original” do irmão Roger, “percetível tanto nos seus escritos como na vida da Comunidade e nos encontros de jovens”.

Entre os conferencistas convidados está o cardeal Walter Kasper, antigo responsável pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos (Santa Sé), que vai apresentar o tema ‘A misericórdia e o caminho ecuménico do irmão Roger’.

OC

Fátima: 8.º Simpósio do Clero convida a refletir sobre «a identidade e missão dos presbíteros»


Agência Ecclesia 31 de Agosto de 2015      CEVM
CEVM
Iniciativa conta com 345 sacerdotes inscritos

Lisboa, 31 ago 2015 (Ecclesia) – Centenas de sacerdotes de todo o país participam a partir de hoje em Fátima no 8.º Simpósio do Clero, que este ano terá como tema “O padre, irmão e Pastor”.

Segundo um comunicado enviado  à Agência ECCLESIA, pela Comissão Episcopal Vocações e Ministérios (CEVM), organizadora do evento, estão inscritos cerca de 350 sacerdotes que vão ter a oportunidade de refletir durante quatro dias sobre a “identidade e missão dos presbíteros”.

Pelo Salão do Bom Pastor, no Centro Paulo VI em Fátima, vão passar oradores como o professor Adriano Moreira, a escritora Lídia Jorge e o vencedor do Prémio Pessoa 2014, Henrique Leitão.

Destaque ainda para a participação do bispo do Porto, D. António Francisco Santos, que dará a conferência “Do Concílio até à atualidade: a vida e o ministério do presbítero”.

O simpósio deste ano pretende assinalar os 50 anos do decreto do Concílio Vaticano II “Presbyterorum Ordinis” sobre “O Ministério e a Vida dos Sacerdotes”; o “Ano da Vida Consagrada” que está a decorrer e também a “figura ímpar do Beato D. Frei Bartolomeu dos Mártires, os seus escritos e a sua vida”, refere a nota da CEVM.

O programa da iniciativa terá no dia 1 de setembro um tempo dedicado ao beato português, com apontamentos de Jorge Barbosa e de Adriano Moreira.

No dia seguinte, os sacerdotes serão convidados a refletir sobre a “beleza da consagração”, com duas conferências de Luciano Manicardi e a visualização de um filme.

O simpósio encerrará com uma oratória sobre ‘O padre e o entusiasmo na evangelização’, proferida pelo padre jesuíta José Correia Frazão, provincial da Companhia de Jesus em Portugal.

JCP

Bento XVI encerrou encontro anual de antigos alunos


Agência Ecclesia 31 de Agosto de 2015
Papa emérito apresentou reflexão sobre «esquecimento» de Deus no mundo contemporâneo

Cidade do Vaticano, 31 ago 2015 (Ecclesia) - O Papa emérito Bento XVI encerrou este domingo a reunião do chamado «Ratzinger Schülerkreis» (círculo de estudantes de Ratzinger), o encontro anual de antigos alunos que este ano abordou o tema ‘Como falar de Deus, hoje’.

“A verdade, amor e bondade que vêm de Deus tornam o homem puro e a verdade, amor e bondade encontram-se na Palavra, que liberta do ‘esquecimento’ de um mundo que já não pensa em Deus”, disse, na homilia da Missa a que presidiu na igreja do Campo Santo Teutónico, no Vaticano.

Partindo da passagem do Evangelho proclamada nesse dia, em todas as celebrações eucarísticas, Bento XVI refletiu sobre a necessidade de purificação do mal, interior e exterior, de uma “higiene exterior para as muitas doenças e por vezes epidemias” que ameaçam todos, uma “epidemia do coração” que leva à “corrupção”.

Nesse sentido, ganha relevo o cultivo de uma ética, a “higiene interior”, como força de “purificação”.

Na oração dos fiéis, relata a Fundação Ratzinger, rezou-se pelo Papa Francisco, com particular atenção para o Ano Santo da Misericórdia.

Após a Missa, decorreu a cerimónia de inauguração da sala Papa Bento XVI- Joseph Ratzinger, num espaço adjacente ao Campo Santo Teutónico.

Em  novembro, por sua vez, vai ser inaugurada a Biblioteca Romana Joseph Ratzinger-Bento XVI, totalmente dedicada à sua vida e ao seu pensamento.

Entre os presentes nestas iniciativas estavam, entre outros, os cardeais Christoph Schönborn, arcebispo de Viena, e Kurt Koch, presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos; o arcebispo Georg Gänswein, prefeito da Casa Pontifícia e secretário particular de Bento XVI; e o bispo Barthélemy Adoukonou, secretário do Conselho Pontifício da Cultura.

Os trabalhos dos membros do Schülerkreis foram orientados pelo sacerdote e filósofo checo Tomás Halík.

OC

Taylor Swift leva principal prêmio do MTV Video Music Awards 2015

antora faturou famoso astronauta pelo clipe de 'Bad Blood'.
Com apresentação de Miley Cyrus, evento aconteceu neste domingo.

Do G1, em São Paulo

  •  
Taylor Swift recebe prêmio de melhor clipe do ano no MTV Video Music Awards (Foto: Matt Sayles/Invision/AP)Taylor Swift recebe prêmio de melhor clipe do ano no MTV Video Music Awards (Foto: Matt Sayles/Invision/AP)
A edição de 2015 do Video Music Awards (VMA), premiação da MTV norte-americana, aconteceu na noite deste domingo (30) no Microsoft Theater, em Los Angeles. O evento teve apresentação da cantora Miley Cyrus e a cantora Taylor Swift foi o grande destaque da noite levando o prêmio de melhor clipe do ano, principal premiação da noite (veja a lista completa de vencedores abaixo).
A cerimômia teve shows de Justin Bieber, Nicki Minaj, Pharrell Williams, The Weeknd, Macklemore, entre outros. Bieber cantou sua nova música "What do you mean?", e lançou o clipe da música após a performance.

Um encontro esperado foi entre Taylor Swift e Nicki Minaj, que se apresentaram juntas no palco da cerimônia. As cantoras se envolveram em uma discussão no Twitter sobre indicações do Video Music Awards. Nicki ficou decepcionada por não ter sido indicada ao principal prêmio pelo vídeo de "Anaconda" e Swift respondeu.
Taylor Swift e Nicki Minaj cantam juntas no palco do MTV Video Music Awards (Foto: Matt Sayles/Invision/AP)Taylor Swift e Nicki Minaj cantam juntas no palco do MTV Video Music Awards (Foto: Matt Sayles/Invision/AP)
Relembre polêmica de Miley Cyrus em 2013
Miley Cyrus ganhou as manchetes no VMA 2013, quando fez uma performance usando lingerie em "Blurred lines", com Robin Thicke.

Em promoções para o evento de 2015, Miley aparece usando golfinhos e pedaços de pizza cobrindo os seios, de biquíni e balançando em um fio vestida em um traje espacial, enquanto fala palavrões.
"Nós temos um relacionamento de longa data com ela desde o VMA 2013", disse Amy Doyle, produtora-executiva do programa. "Ela continua a ser uma personagem incrível na cultura pop, ela é musical e tem muita personalidade."
O MTV Video Music Awards é muitas vezes um lugar onde os artistas vão para chocar – de Eminem com dezenas de seus sósias em 2000 até Lady Gaga com um vestido feito de carne crua em 2010 e Beyoncé revelando sua barriga de grávida em 2011.
Veja a lista dos vencedores do MTV VMA 2015:
Video do ano
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood”
Ed Sheeran, “Thinking Out Loud”
Beyoncé, “7/11″
Mark Ronson feat. Bruno Mars, “Uptown Funk”
Kendrick Lamar, “Alright”
Melhor vídeo feminino
Taylor Swift, “Blank Space”
Beyoncé, “7/11″
Nicki Minaj, “Anaconda”
Sia, “Elastic Heart”
Ellie Goulding, “Love Me Like You Do”
Melhor vídeo masculino
Ed Sheeran – “Thinking Out Loud”
Mark Ronson feat. Bruno Marks – “Uptown Funk”
Kendrick Lamar – “Alright”
The Weeknd – “Earned It”
Nick Jonas – “Chains”
Melhor colaboração
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood”
Mark Ronson feat. Bruno Marks, “Uptown Funk”
Wiz Khalifa feat. Charlie Puth, “See You Again”
Ariana Grande and The Weeknd, “Love Me Harder”
Ariana Grande, Nicki Minaj, and Jessie J, “Bang Bang”
Melhor vídeo com mensagem
Colbie Caillat, “Try”
Jennifer Hudson, “I Still Love You”
Rihanna, “American Oxygen”
Big Sean feat. Kanye West and John Legend, “One Man Can Change The World”
Wale, “The White Shoes”
Melhor vídeo de pop
Beyoncé, “7/11″
Ed Sheeran, “Thinking Out Loud”
Taylor Swift, “Blank Space”
Maroon 5, “Sugar”
Mark Ronson feat. Bruno Mars, “Uptown Funk”
Melhor vídeo de hip hop
Fetty Wap, “Trap Queen”
Nicki Minaj, “Anaconda”
Kendrick Lamar, “Alright”
Big Sean, “IDFWU”
Wiz Khalifa feat. Charlie Puth, “See You Again”
Melhor vídeo de rock
Hozier, “Take Me To Church”
Fall Out Boy, “Uma Thurman”
Florence + the Machine, “Ship To Wreck”
Walk The Moon, “Shut Up And Dance”
Artic Monkeys, “Why’d You Only Call Me When You’re High?”
Melhor fotografia
Ed Sheeran, “Thinking Out Loud”
Flying Lotus feat. Kendrick Lamar, “Never Catch Me”
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood”
FKA Twigs, “Two Weeks”
Alt-J, “Left Hand Free”
Melhor coreografia
Beyoncé,”7/11″
Chet Faker, “Gold”
OK Go, “I Won’t Let You Down”
Ed Sheeran, “Don’t”
Flying Lotus feat. Kendrick Lamar, “Never Catch Me”
Melhor direção de arte
Snoop Dogg, “So Many Pros”
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood”
Jack White, “Would You Fight For My Love?”
The Chemical Brothers, “Go”
Jack U feat. Justin Bieber, “Where Are U Now”
Melhor edição
Beyoncé, “7/11″
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood”
Ed Sheeran, “Don’t”
A$AP Rocky “L$D”
Jack U feat. Justin Bieber, “Where Are U Now”
Melhor direção
Taylor Swift feat. Kendrick Lamar, “Bad Blood” — Joseph Kahn
Mark Ronson feat. Bruno Mars, “Uptown Funk” — Bruno Mars & Cameron Duddy
Kendrick Lamar, “Alright” — Colin Tilley & The Little Homies
Hozier, “Take Me To Church” — Brendan Canty & Conal Thomson of Feel Good Lost
Childish Gambino, “Sober” Hiro Murai
Melhores efeitos visuais
Taylor Swift, “Bad Blood”
FKA Twigs, “Two Weeks”
Childish Gambino, “Telegraph Ave”
Jack U feat. Justin Bieber, “Where Are U Now”
Tyler, The Creator “F*cking Young/Death Camp”

Artista para acompanhar
Fetty Wap, "Trap Queen"
Vance Joy, "Riptide"
George Ezra, "Budapest"
James Bay, "Hold Back The River"
FKA Twigs, "Pendulum"
Música do verão:
5 Seconds of Summer — "She's Kinda Hot"
Fetty Wap — "My Way"
Fifth Harmony (featuring Kid Ink) - "Worth it"
Selena Gomez (featuring ASAP Rocky) — "Good for You"
David Guetta (featuring Nicki Minaj) — "Hey Mama"
Demi Lovato — "Cool for the Summer"
Major Lazer — "Lean On"
OMI — "Cheerleader"
Silento — "Watch Me (Whip/Nae Nae)"
Skrillex and Diplo (featuring Justin Bieber) — "Where Are U Now"
Taylor Swift — "Bad Blood"
The Weeknd — "Can't Feel My Face"
Michael Jackson Video Vanguard Award – Prêmio honorário
Kanye Wes
t

Hungria intercepta mais de 8,7 mil refugiados durante o fim de semana

Pessoas atravessaram a fronteira de forma ilegal entre sexta e domingo.
Crescente número causou nos últimos dias tensões internas na região.

Da EFE

Imigrantes andam após entrarem na Hungria pela fronteira com a Sérvia perto de Roszke neste domingo (30) (Foto: Bernadett Szabo/Reuters)Imigrantes andam após entrarem na Hungria pela fronteira com a Sérvia perto de Roszke neste domingo (30) (Foto: Bernadett Szabo/Reuters)
As autoridades da Hungria interceptaram entre sexta-feira (28) e domingo (30) passados 8.792 refugiados que cruzaram a fronteira de forma ilegal, apesar de no sábado ter concluído a construção de uma cerca na fronteira com a Sérvia concebida para conter a imigração.
Nos últimos três dias, as autoridades detiveram 36 pessoas certamente por tráfico de seres humanos que enfrentarão investigações policiais, indicou o relatório do Ministério do Interior húngaro.
A fronteira entre Hungria e Sérvia é uma das mais frequentadas de toda Europa pelos refugiados, que chegam de países em conflito como Síria, Afeganistão e Paquistão através da chamada "rota dos Bálcãs".
O crescente número de imigrantes causou nos últimos dias tensões internas nas regiões de passagem e nos acampamentos
.

Casais com síndrome de Down mostram a intimidade no dia a dia

Sexualidade na síndrome de Down ainda é um assunto que preocupa e assusta os pais.


Nas últimas semanas, o doutor Drauzio Varella e o Breno Viola vêm trazendo um novo olhar sobre a síndrome de Down. Chegou a hora de falar de um assunto ainda considerado tabu para muitas famílias: desejo e sexualidade. Pessoas com síndrome de Down também querem namorar, casar e sonham até em ter filhos. Qual é a diferença?
Uma mulher apaixonada que não deixa o marido ficar com fome no trabalho. Quinta-feira sagrada: aqui ninguém perde a noite de sair com os amigos. E neste domingo (30), o Breno vai falar de seus planos para o futuro.
Breno foi até a Praia Grande, no litoral de São Paulo, para uma missão que muito lhe interessa: descobrir com a Ilka e o Arthur Grassi como é a vida de casado. Já vai fazer três anos que Ilka e Arthur trocaram alianças em uma igreja em São Paulo.
A Ilka e o Arthur têm entre quatro paredes a intimidade de qualquer casal. Mas a sexualidade na síndrome de Down ainda é um assunto que preocupa e assusta os pais. É preciso abertura e muita atenção porque fingir que o desejo sexual não existe pode transformar o que é da natureza humana num problema.
“Às vezes a família acaba esquecendo da idade cronológica ne e acaba tratando o filho, principalmente na fase da adolescência, ainda como criança. Ela tem uma sexualidade como outra pessoa qualquer, mas parece que fica aflorada porque ela não tem as condições de exercitar”, destaca a psicóloga Cátia Macedo.
“Isso vai sendo contido, contido e quando vem, vem que vem”, diz Maria Antônia Goulart, do Movimento Down.
Drauzio Varella: Na adolescência quando começam os bombardeios de hormônios sexuais, como você orienta os pais?
Dr Zan Mustacchi: Eu digo para eles que eles têm que orientar da forma mais normal possível, para que não haja punição vinculada com isso. Eles tem que dizer aos filhos que eles também fazem isso, mas que eles fazem isso no quarto, por isso que ele nunca viu.
Em Campinas, no interior de São Paulo, toda quinta é assim: Andrea e seus amigos escolhem um bar e se encontram para conversar, paquerar e namorar.  Um terapeuta sempre acompanha o grupo nessas saídas.
Drauzio Varella: Catia, ao contrário do que muitos pensam a sexualidade se impõe, você não decide se você vai ser homossexual ou heterossexual, isso simplesmente é o desenvolvimento humano.
Psicóloga: Jovens com síndrome de Down podem ser heteros, homossexuais. A grande questão é que como isso não é trabalhado, então a gente não percebe.
Quando eles encontram o amor, não existe felicidade maior. É como se cada um virasse protagonista de seu próprio filme romântico.
Samanta mora em São Paulo, Breno no Rio. Já são quase três anos de namoro. Mas para ser feliz de verdade com a Samanta, o Breno precisou antes conquistar os pais dela.
“Ela vinha com acompanhante, antes a gente não podia dormir junto, aí tinha uma pessoa segurando vela”, conta Breno.
Denise então levou a filha para a ginecologista para encontrar o método anticoncepcional mais adequado. E a partir daí você imagina o que aconteceu. Esse é um assunto delicado para os pais dos jovens com síndrome de Down.
É muito raro encontrar pessoas com síndrome de Down que tenham tido filhos. Entre as mulheres com Down, 50% apresentam dificuldades para engravidar. Já entre os homens, o problema é mais grave, 80% deles têm baixa produção ou má qualidade dos espermatozoides.
Drauzio Varella: Quando você tem um casal onde os dois tem síndrome de Down, qual é o risco de nascer uma criança com Down também?
Dr. Zan Mustacchi: 80%de chances. Mas hoje eu digo para os pais desses indivíduos, com síndrome de Down, ele poderá lhe dar netos sem síndrome de Down, com certeza. Por que? Porque hoje nós dominamos a técnica de fertilização pré-concepcional -in vitro. Eu analiso embrião por embrião e coloco na barriga da mãe e vai ser filho dos dois.
Drauzio Varella: E quando esses casais com Down têm filhos, quem cuida das crianças?
Dr. Zan: Habitualmente, são os avós.
Drauzio Varella: E quem cria esse menino?
Dr. Zan: Habitualmente, são os avós. Aliás, muitos avós criam os filhos, dos filhos que não tem síndrome de Down.
Breno sabe que o futuro exige responsabilidade e pés no chão.  E isso nos leva ao assunto do próximo episódio: trabalho. Domingo que vem, vamos falar de capacitação profissional e do futuro. Você vai conhecer pessoas com síndrome de Down que moram sozinhas. Qual é a diferença
?

Aposentadoria em Portugal

Dicas para quem gostaria de se aposentar e viver no país apontado como o mais atraente do mundo.
Por Marco Lacerda*
Nesses tempos em que o Brasil tornou-se um país inóspito, principalmente para quem vive do miserável  benefício proporcionado pelo governo,  é normal que se pense na possibilidade de aposentar-se e viver em outras partes do mundo. Pode-se residir em Portugal como reformado/aposentado ou viver de rendimentos próprios (bens móveis ou imóveis, da propriedade intelectual ou de aplicações financeiras).
Portugal tem uma lei para receber cidadãos aposentados do mundo inteiro que desejam viver no país desde que provem rendimentos suficientes. Inclusive tem benefícios fiscais de isenção de impostos. Entenda como funciona o processo para que os aposentados brasileiros possam morar em Portugal e saiba todas as vantagens de ser estrangeiro aposentado em Portugal, um país que desponta como a comunidade mais atraente acolhedora do mundo.
Como morar em Portugal sendo estrangeiro aposentado?
O aposentado deve solicitar um visto de Residência para reformados ou titulares de rendimentos junto ao Consulado de Portugal. Veja como pedir o visto de residência de Portugal para aposentados:
1 – Comprovante de rendimentos que possibilitem a residência em Portugal, garantidos por período superior a 12 meses, e pode ser provado de duas formas:
No caso de aposentados, através do comprovante da aposentadoria, bem como a garantia do seu recebimento ou comprovar outros rendimentos em território nacional. No caso de cidadãos que vivem de rendimentos de bens móveis ou imóveis, da propriedade intelectual ou de aplicações financeiras, através de documento comprovante da existência e montante dos rendimentos, bem como da sua disponibilidade em Portugal.
2 – Outros documentos
Formulário de pedido de visto a preencher online. Carta justificativa da pretensão de residir em Portugal
2 fotos 3×4 a cores e fundo liso, atualizada e com boas condições de identificação
Passaporte original, com validade superior a 3 meses
Cópia autenticada do passaporte (das folhas usadas e de identificação)
Cópia autenticada da carteira de identidade (RG)
Certidões de Antecedentes Criminais, com menos de 90 dias, emitidas pela Polícia Federal e pela Polícia Civil, com a assinatura reconhecida em Cartório
Atestado Médico, com menos de 90 dias, passado por Órgão Oficial a declarar que não é portador de doença contagiosa, com a assinatura do médico reconhecida em Cartório
Seguro Saúde Internacional Privado, ou o PB-4 (PB-4, como funciona e como solicitar gratuitamente), caso seja beneficiário do INSS, pelo tempo que durar o visto
Se casado, deve enviar cópia autenticada da certidão de casamento
Se tiver filhos menores que acompanhem, deve enviar cópias autenticadas das certidões de nascimento.
Comprovante de alojamento em Portugal que, numa primeira fase, poderá ser reserva de hotel ou carta de pessoa conhecida, legalmente residente em Portugal, que garanta o alojamento.
Quanto preciso ter de renda para viver aposentado em Portugal?
Para que seu visto de residência como aposentado em Portugal seja aprovado, é preciso satisfazer alguns fatores mínimos, e um deles é o valor da aposentadoria por mês. O valor mínimo varia de acordo com a quantidade de pessoas no agregado familiar que vai se candidatar para morar em Portugal.
Os valores de aposentadoria para viver em Portugal:
1º adulto – 100% do salário mínimo vigente
2º adulto – 50% do salário mínimo vigente
Cada criança – 30% do salário mínimo vigente
Por exemplo, um casal aposentado com uma criança menor de idade precisaria ter um rendimento mínimo de €909 (180% do salário mínimo vigente) para aplicar o agregado familiar para o visto de residência, considerando o salário mínimo de €505 em 2015. A obtenção do visto não é automática, e quanto mais recursos financeiros você tiver, maior a probabilidade de sucesso. Para você saber se consegue viver bem Portugal com a sua aposentadoria, leia aqui o Custo de Vida em Portugal.
Isenção de IRS na aposentadoria de estrangeiros e vantagens
Em 2013, Portugal criou o status de “residente não habitual”, que permite ao aposentado estrangeiro ter isenção de impostos durante dez anos. Para fazer parte desse programa é preciso residir pelo menos 6 meses por ano em Portugal sem exercer atividade lucrativa, alugar apartamento em Portugal (imóvel em geral) ou comprar e não ter sido residente fiscal em Portugal nos cinco anos anteriores. Sem dúvida não pagar impostos por 10 anos é um grande atrativo para ser um estrangeiro aposentado em Portugal.
Uma outra grande vantagem de ser aposentado em Portugal, é o sistema de Saúde Pública que vai te custar muito menos do que qualquer plano de saúde no Brasil e tem excelente qualidade.
*Marco Lacerda é jornalista, escritor e Editor Especial do DomTotal.

Francisco: o futuro do mundo

Estamos entregando ao povo de Deus, neste Natal de 2015 e início de 2016, o livro Francisco: o Futuro do Mundo. Nosso objetivo é ...